Na teia da Montblanc

Novas canetas da marca de relojoaria e escrita trazem item móvel que se transforma em joia e que pode chegar a valer até 1,5 milhão de euros.

A figura da aranha e um poema da mitologia greco-romana foram as inspirações para a coleção Montblanc High Heritage Metamorfosis Limited Collection, lançada neste ano e à venda no Brasil desde o mês de abril. A linha é composta por uma caneta e acessórios que a transformam em uma joia de usar.
No poema Metamorfoses, de Ovídio, a aranha aparece e é enaltecida por seu poder de transformação. Aqui, na tradução para o equipamento de escrita da marca alemã, duas das três edições mostram este poder “mutante”.

Caneta High Heritage Spider, da Montblanc

A primeira, em ouro branco, traz uma pequena aranha feita no raro metal presa ao corpo, ambos cravejados de diamantes. No detalhe, uma teia de aranha, em três dimensões e polida a mão. A aranha pode ser removida e usada como broche ou pulseira.
Na versão em ouro champagne, o pavê de diamantes aparece na tampa e no corpo de ouro maciço. A tampa ainda traz como destaque um rubi Myanmar. A aranha traz olhos de diamantes e pode ser usada como broche também.
Por fim, a edição em ouro rosé maciço traz um pavê de safiras em um lindo degradé em tons de azul – finalizado no topo da tampa com uma safira Burmese em lapidação cabochon. O adorno da aranha, também móvel, pode ser usado como um elegante pin de gravata.
Peças únicas, as ‘joias’ da Montblanc custam entre 1 milhão e 1,5 milhão de euros. Há ainda as séries Heritage Spider, com 5, 10 e 88 unidades fabricadas cada. Para acompanhar toda a nova coleção Heritage, uma linha de cases em couro para notebooks foi desenvolvida pela Pelleteria Montblanc, em Florença. As capas trazem a teia gravada e aranhas metálicas desenhadas em cera e preenchidas com rutênio brilhante.

(Da Redação|SP)