Não é só mais um showroom…

Cyrela aposta em espaço de experiências para vender seu conceito de moradia de alto padrão em pleno shopping de luxo em São Paulo.

A localização do novo showroom da Cyrela na capital paulista, chamado de ‘brand store’ e recém-inaugurado no Shopping JK Iguatemi, revela parte das intenções da empresa: sofisticar ainda mais sua abordagem junto aos clientes, através de uma experiência de atendimento diferente.
A incorporadora paulista criou um espaço que mais parece galeria de design: tem bar, café, móveis assinados por expoentes da arquitetura mundial (como o francês Phillippe Starck), e até uma reluzente Ferrari Berlinetta na entrada. Ah, sim, tem aquelas clássicas maquetes de prédios também. Mas elas, nem de longe, são as grandes estrelas da loja-conceito.

Lustre Baccarat assinado por Phillippe Starck, presente no espaço

Há um staff pronto para receber os visitantes, mas o approach não será o típico do corretor de imóveis. O convite será o de imergir nos valores da marca através de um passeio pelo design mundial. A ideia, segundo o co-presidente da Cyrela, Efraim Horn, é surpreender os clientes com uma proposta de tornar o “surreal, real”, filosofia que permearia os projetos e as parcerias da companhia.
O local, de 400m2 e concebido pelo arquiteto Carlos Rossi, receberá exposições de arte, moda, degustações de produtos e parcerias com outras marcas de luxo, como um workshop promovido pela alta relojoaria suíça IWC. Além disso, a loja vai poder receber interessados nos apartamentos da marca.

Ferrari na porta, para promover projeto em parceria com a Pininfarina

“Esta loja não tem o intuito de ser mais um canal de vendas, mas um espaço para poder propiciar às pessoas uma experiência de design e arquitetura”, comentou Horn, herdeiro do grupo.
No espaço estão expostos os empreendimentos Cyrela by Pininfarina, Heritage by Pininfarina e One Sixty by Yoo Studio. No momento, segundo o executivo, não há previsão de novos lançamentos por parte da empresa. E o motivo não é a crise, mas a ausência de bons terrenos disponíveis. “O que faz o alto padrão ser alto padrão é a escassez da matéria-prima que, neste caso, é o terreno. E há 20 anos que já não se conseguem terrenos de alto padrão em São Paulo. Este virou um mercado de achados”, concluiu.

(Da Redação|SP)