Europa deve liderar consumo de ‘luxury goods’ em 2017

Previsão da consultoria Bain&Co. é de elevação entre 2% e 4% no segmento de acessórios de luxo. Dentre os mercados, o continente europeu será o protagonista.

O retorno dos turistas mundiais à Europa e a boa performance de mercados mais maduros como o Japão devem garantir o crescimento do mercado de luxury goods (itens de uso pessoal) em 2017. Após queda de 1% no faturamento do segmento no ano passado, a expectativa é de alta de 2% a 4% até o mês de dezembro, com volume de vendas na casa dos US$ 292 bilhões.
A previsão é da consultoria Bain&Co., em parceria com a associação das indústrias de luxo na Itália, a Altagamma.

Lojas na Calle Serrano, em Madrid: na mira dos turistas

O estudo aponta melhora na performance do mercado europeu, onde países como a Espanha, tido como mais seguro ante a ameaça de terrorismo que tem afligido o continente nos últimos anos, cujos bons resultados de vendas a cada mês tem relação direta com os desembarques dos turistas internacionais.
A Inglaterra, por conta do enfraquecimento da libra esterlina pós-saída da União Européia (e ainda sem levar em consideração o impacto do ataque terrorista em Manchester e em Londres, no fim do mês de maio), e até mesmo a França, que vem recuperando o seu poder de atração junto aos viajantes, também têm colaborado com o aumento das vendas do segmento. A previsão para o consumo da Europa é de crescimento de até 9%.

China de volta
A recuperação das vendas no mercado interno chinês também é destacada no relatório da Bain&Co. A China deverá registrar crescimento no segmento de acessórios de uso pessoal de até 8%, segundo os pesquisadores. O turista chinês, aliás, também entra nesta conta. Na região, Cingapura, Macau e até Hong Kong deverão fechar o ano com vendas em ascensão. Entretanto, outros países asiáticos como Taiwan sofrerão queda de consumo. No Japão, os especialistas prevêem estabilidade nas vendas.

(Da Redação|SP)