Travelweek leva o turismo a ‘discutir relação’ com o viajante de luxo

Evento internacional de turismo realizado em São Paulo debate temas como fidelidade e amor à marca como metas para o sucesso no setor.

Fidelidade, amor pela marca e envolvimento emocional. O mercado de turismo de luxo parece viver uma ‘DR’, discutindo o relacionamento que tem com um cliente cujo perfil muda a cada ano. É o que aponta o estudo produzido pelo instituto Skift que foi apresentado na última edição da Travelweek São Paulo, terminada no dia 28 de abril, na capital paulista.

Travelweek SP: mais de 1 mil convidados para debater o setor de viagens de luxo

O evento, que reuniu mais de 1 mil convidados, entre players e expositores do trade do turismo de luxo mundial no prédio da Bienal, levantou questões sobre o futuro do setor em um mercado a cada ano mais competitivo.
A conexão com o universo emocional é clara. ‘Fidelizar’ clientes através de experiências que ‘envolvam’ o viajante e criem neles o ‘amor’ pela marca ou destino. Segundo o relatório apresentado na feira, estas ideias  definirão os novos rumos do negócio, traduzidas nas palavras ‘simplicidade’, ‘significado’ e ‘transformação’, exemplificadas nas ações à seguir:

1.Interação on/off-line
O ambiente digital tem sido o primeiro passo dado pelo viajante em seu processo de escolha sobre para qual destino vai embarcar. Portanto, é fundamental que as marcas, as empresas e os órgãos oficiais estejam bem representados e com alto nível de interação em suas plataformas online.

2.Experiências transformadoras de vida
Na era do compartilhamento das informações, sobretudo a respeito de viagens realizadas, os clientes estão buscando cada vez mais vivenciar algo inovador. Já não bastam mais os mesmos destinos e, até aqueles mais exóticos, precisam estar conectados com essa expectativa da “viagem única”. E, não raro, estas viagens não estão associadas ao conforto extremo, mas, sim, com algo mais intangível.

3.Individualização dos serviços
Hoteis e empresas de receptivo de todo o mundo deverão investir pesadamente na customização dos seus produtos e serviços. Tudo para que um obtenham o máximo de reconhecimento no novo índice que mede a satisfação dos viajantes, o CLV (Customer Lifetime Value), e sejam lembrados positivamente quando da próxima viagem do cliente.

Simon Mayle, gerente geral da Travelweek SP

Ao trabalhar estes três temas localmente, diz o relatório, a empresa ou o destino poderão gerar o envolvimento emocional desejado junto ao cliente, fidelizando-os à marca e criando um significado novo para o ato de viajar.
“Todas estas ideias se relacionam com os condutores psicográficos e com os gatilhos emocionais dos viajantes”, comentou Simon Mayle, gerente geral da Travelweek São Paulo. “Explicadas em diferentes contextos e culturas, estas ideias fornecerão uma nova maneira de definir o luxo em viagens”, disse o executivo. O evento brasileiro, realizado pela International Luxury Travel Market (ILTM), passará a ser o representante latino-americano do calendário a partir de 2018.

(Da Redação|SP)