Morar bem em São Paulo começa pela calçada

Com respiros urbanos ao invés de muros altos, portões e guaritas blindadas, a incorporadora paulistana INK propõe uma nova experiência de moradia na cidade. E a inovação começa antes mesmo de se entrar no prédio.

Imagine, então, que você chega em casa caminhando de volta do trabalho e atravessa uma pequena praça, com bancos e jardim, para chegar à portaria do seu prédio. No espaço, pessoas comuns, gente da cidade interage, descansa, ocupa. E nem precisa ser morador! Tudo resultando numa atmosfera agradável criada por este ‘respiro urbano’, um momento onde o condomínio dialoga com a cidade, seus habitantes e com os próprios moradores do lugar. Que tal?
Assim começa a experiência de morar em São Paulo na visão da INK Incorporadora, a jovem empresa com estrutura de start up, ágil e moderna na forma de agir e de pensar, e que entrega seu primeiro empreendimento em setembro de 2017.
Batizado de Tetrys (na foto que ilustra o post na home do site), o prédio é uma justaposição de blocos habitáveis de tamanhos variáveis, totalizando 66 unidades – 43 delas diferentes entre si. Ali, numa agradável rua do bairro da Pompéia, na zona oeste da capital paulista, surge esta pequena praça aberta, este respiro, bem na fachada do prédio.
“É um conceito de praça aberta para o bairro, uma maneira de dialogar com a cidade com uma área para ser usada pelas pessoas”, diz Gabriela Coelho, a arquiteta e urbanista sócia da INK, ao lado de Luís Piccini, e que recebeu BUSINESS LUXO no escritório da empresa.

Praça aberta na entrada do futuro INK Pinheiros

Em outro projeto (há cinco em desenvolvimento no total), já em construção e na mesma região, o GEO 2288, encontra-se também este respiro urbano. Perto dele, no INK Pinheiros, a praça será ainda mais evidente. E Gabriela garante que é seguro. “Um espelho d’água, um jardim, muitas vezes são mais eficientes do que uma barreira mais ostensiva, uma guarita apenas. Estes artifícios arquitetônicos criam certa distância da portaria e proporcionam uma visão mais ampla de quem se aproxima também”, explica.

Perspectiva do INK Vila Olimpia: foco no alto padrão

Pesquisa prévia
Do lado de dentro dos portões, os edifícios da INK também chamam a atenção pelo design mais ousado, pela tecnologia empregada e pelas soluções inteligentes no uso do espaço. Tudo isso partindo de uma base científica, uma pesquisa de campo realizada antes mesmo do projeto em si ser definido.
“O primeiro arco do nosso processo construtivo é a pesquisa – quanti e quali –, onde buscamos entender bem a região onde o empreendimento será lançado: qual o perfil dos moradores vizinhos, a dinâmica da vida no bairro, os serviços nos arredores, a estimativa de renda. Combinamos, então, estas informações com o perfil de nossos clientes e isso gera o projeto final” explicou Gabriela.
A arquiteta garante que esta abordagem personalizada dos empreendimentos da marca são outro diferencial da INK. Algo que não é praticado pelo mercado imobiliário mais tradicional. “Você não verá uma planta nossa reproduzida em mais de um bairro, porque cada lugar é diferente.”

Gabriela Coelho, da INK: um olhar novo para o mercado imobiliário paulista

Também respeitando a personalidade de cada endereço, a empresa criou o INK na Cidade, uma ocupação diferente do terreno antes da construção começar. Nele são realizados eventos culturais conforme o perfil do bairro – e qualquer um pode participar.
Com apenas quatro anos de vida, a empresa quer fazer barulho também no setor de alto padrão. Um de seus projetos para o segmento fica na Vila Olimpia, na zona sul paulistana, onde um condomínio com apenas dez apartamentos será construído no mais puro estilo “casas suspensas”. Mas sempre com uma abordagem diferente.
“A INK nasceu disso: queremos dar um olhar mais inovador, um refresh do que existe no mercado hoje”, aposta a sócia.

(*) Veja mais imagens dos empreendimentos da INK em nossa página no Facebook.com/businessluxosocial. Ou clique aqui.

(De São Paulo|SP)