Richemont fecha 2016 no azul

Após sucessivas quedas de faturamento, grupo suíço de alta relojoaria anuncia crescimento 9,4% nas vendas no ano passado.

A sensação é de alívio no headquarter do grupo Richemont em Genebra, na Suíça. Dono de marcas de alta relojoaria como Panerai, IWC, Cartier, Piaget e Vacheron Constantin, o grupo encerrou o ano de 2016 comemorando um aumento de 9,4% nas vendas após sucessivas quedas nos últimos anos, perda de receita e corte de funcionários.

Interesse dos chineses em relógios de luxo parece ter retornado em 2016

O resultado foi anunciado pela própria companhia, alegando como principais motivos um novo fôlego na demanda do mercado chinês e um inesperado aumento no mercado europeu e norte-americano. As vendas no varejo cresceram 12%, direção inversa das exportações e das vendas no atacado – um sinal claro de ‘queima de estoque’ por parte dos revendedores.
O faturamento no ano passado alcançou US$ 3,3 bilhões, superando a estimativa dos analistas em US$ 130 milhões. O maior impulso veio do mercado Ásia-Pacífico, que cresceu pela primeira vez após dois anos em queda.

Swatch também tem alívio
O ano que passou também foi de resultado positivo para o rival Swatch Group. Detentor de marcas como a Omega, o conglomerado encerrou suas vendas em 2016 com alta de 8,5%, em comparação a 2015.

(*) Com informações de sites internacionais.

(Da Redação|SP)