Turismo de luxo debate desafios no Brasil

Evento discute rumos do setor no Brasil em momento delicado da economia. Números globais mostram que o turismo de luxo vem fomentando outros segmentos como hotelaria, gastronomia e vendas de personal goods nos aeroportos.

Serviços de melhor qualidade, mão-de-obra mais qualificada, falta de estímulo governamental para o desenvolvimento dos empreendimentos e destinos. Os desafios cada vez maiores do setor de viagens de alto padrão no Brasil foram os temas debatidos do 1o. Fórum Turismo de Luxo 2016, realizado em outubro, em São Paulo. O evento, realizado pela agência ProMonde, de Ricardo Bueno Hida, aconteceu nos salões do hotel Gran Mercure e reuniu especialistas do segmento em quatro painéis. O diretor e fundador do portal Business Luxo, o jornalista Fabiano Mazzei, integrou um dos encontros.
Carlos Ferreirinha, presidente do Instituto MCF, e Simon Mayle, gerente da ILTM e da feira Travel Week, abriram o evento levando números sobre o turismo no Brasil e no mundo. Dentre os dados apresentados, os chineses mantiveram a primeira posição do ranking de maiores consumidores de viagens do mundo. Eles gastaram cerca de US$ 165 bilhões em 2014, ficando à frente de americanos, alemães, britânicos e russos. Já os brasileiros gastaram US$ 15 bilhões entre agosto de 2015 e 2016. Na apresentação de Mayle, o executivo mencionou ainda que o turismo de luxo cresceu mais (4,5%) do que o turismo tradicional (4,2%) entre 2011 a 2015.

Erik Sadao (Teresa Perez) e Fabiano Mazzei (Business Luxo) debatem no evento

Erik Sadao (Teresa Perez) e Fabiano Mazzei (Business Luxo)

Turismo e negócios
Simone Scorsato, diretora da Brazilian Luxury Travel Association (BLTA), e Toni Sando, presidente da São Paulo Convention & Visitor Bureau, falaram sobre o turismo de negócios e a qualidade dos serviços em hoteis de luxo no Brasil. Simone confirmou que metade dos hóspedes destes empreendimentos hoteleiros, sobretudo os hoteis e pousadas boutique, são brasileiros mesmo. E que se faz necessário maiores investimentos no receptivo de cidades e empresas hoteleiras. Já Toni comentou a vocação de cidades como São Paulo para receber viajantes de negócios e do volume de eventos cada vez maior que são realizados na cidade.
Fabiano Mazzei, diretor do portal Business Luxo, e Erik Sadao, diretor de marketing da agência especializada Teresa Perez, debateram sobre a temperatura do mercado atual. Sadao alertou os operadores presentes na plateia da necessidade de se incluir destinos brasileiros mais sofisticados no portfólio de produtos. Já Mazzei ressaltou a importância do turismo para o mercado de luxo global como um todo. Neste ano, a hotelaria do setor movimentará mais de US$ 200 bilhões no mundo. Já a gastronomia deverá gerar US$ 50 bilhões em negócios, boa parte disso vindo da carteira de turistas.

German Carmona (Air France) e Mariângela Klein (Accor)

German Carmona (Air France) e Mariângela Klein (Accor)

Por fim, German Carmona, diretor de marketing da Air France-KLM, e Mariângela Klein, gerente das marcas de luxo do grupo Accor, expuseram seus cases de gestão em suas respectivas companhias. Carmona destacou os investimentos em plataformas digitais de relacionamento com o cliente, enquanto Mariangela Klein disse como o portfólio de hoteis de luxo do grupo tem influenciado outras bandeiras, mais acessíveis, dentro da empresa.

(De São Paulo)