Louis Vuitton investe R$ 60 milhões em desfile no Brasil

Cifra se refere a organização do evento de lançamento mundial da coleção resort 2017, marcado para o dia 28, em Niterói. Loja da Louis Vuitton em Ipanema também foi reformada.

A capital fluminense foi escolhida para o evento mundial da maison e deve receber convidados e jornalistas de todo o mundo. Marcado para o dia 28 de maio, o desfile é um dos eventos mais importantes do calendário da moda mundial. As informações fora dadas pelo CEO da Louis Vuitton no Brasil, Alexandre Frota, durante o II Fórum MCF, realizado em São Paulo no último dia 9. Apenas para este evento serão investidos R$ 60 milhões.

Alexandre Frota

Alexandre Frota

A última edição aconteceu nos EUA, em uma propriedade estilo modernista em Palm Springs, na Califórnia. Além do show, a companhia realizou no início do ano a renovação completa da loja da marca em Ipanema, na zona sul carioca.
O investimento e a reforma da loja celebram os 25 da marca no Brasil e confirmam o interesse da Louis Vuitton no mercado nacional. A brand foi pioneira no mercado de luxo brasileiro, com operações no Brasil desde 1989. Frota alertou, contudo, que as oscilações na economia e a instabilidade do ambiente de negócios local são desafios que têm tornado a estratégia futura da marca para o País mais conservadora.
“Abrir uma loja nova custa, em média, R$ 25 milhões, um aporte alto para ser feito em um ambiente onde as regras do jogo mudam constantemente. Não apenas a Louis Vuitton, mas qualquer marca de luxo internacional tem muita dificuldade com isso”, explicou o CEO.

Zika no Rio

Edição anterior do desfile em Palm Springs (EUA)

Edição anterior do desfile em Palm Springs (EUA)

Sobre o evento Cruise Collection 2017, que acontecerá no MAC-Niterói, Frota disse que dentre todas as questões que preocupam no Rio de Janeiro – a insegurança, a crise nos hospitais, a mobilidade urbana comprometida por conta das obras para as Olimpíadas, entre outras –, ele lembrou que a epidemia de zika vírus, causada pelo mosquito da dengue, foi a que mais gerou tensão junto aos organizadores. A doença teria deixado muitos convidados e jornalistas internacionais indecisos sobre a vinda ao País. “Tivemos muitos asiáticos que já declinaram o convite por conta do zika. Eles têm uma preocupação muito grande com essa questão de saúde pública”, afirmou.

(De São Paulo)